segunda-feira, 8 de novembro de 2010

fim de festa.

Eu que sou triste, meio des-sendo, achei que a festa tinha acabado. Mas então surgiu, não sei trazida por quem, outra cachacinha e acabei ficando um pouco mais. Eu olhei assim, ele olhou pra mim e eu disse, des-dizendo, “love u”; e a noite foi de um bailado bonito, meio trôpego, mas com ritmo. Só que no dia seguinte (o dia mesmo, não a pílula) eu acordei de ressaca, mandei-o embora, vomitei, tomei chá, expurguei e decidi que nessa festa eu não quero mais dançar. Quem sabe quando o carnaval chegar...

7 comentários:

  1. A clareza tatuada pelo sol ainda adormece os olhos...

    beijos adorei!!!

    ResponderExcluir
  2. Quando o carnaval chegar, a dança vai continuar.
    Porque a vida não pára.
    Os músicos não se cansam.
    Então vê se levanta e sacode a poeira menina, para os anos tardarem a passar.
    Um beijo...

    ResponderExcluir
  3. Tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Nele, vamos botar nossos blocos na rua. Ou você dança na festa, ou a festa dança em você.

    Beijo. Paes.

    ResponderExcluir
  4. De blog em blog,
    vim parar no seu!

    E que coincidência!
    "Fim de festa"
    é um dos primeiros poemas
    que publiquei no Doce de Lira! : )

    Beijo,
    Renata Aragão

    ResponderExcluir
  5. "Ela desatinou viu, chegar quarta-feira acabar a brincadeira, bandeiras, se desmanchando...e ela ainda está sambando..." É pra quando o carnaval terminar.


    Te abraço com ternura.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o "des-sendo". Vou adotar o verbo DES-SER. Na verdade, só formalmente, já que na prática ninguém que se atreve a experimentar um pouco de verdade pode dizer que É qualquer coisa, né, linda?
    Bj grande.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir