domingo, 16 de março de 2008

o vizinho II.

O vizinho ainda não trocou a lâmpada.
Ele usa uma toalha como cortina.
Tivemos dúvida se ele desenhava ou estudava em uma noite dessas.
Eu achei que desenhava,
Priscila pensou que o vizinho estudava.
Não me parece fazer muita diferença agora.
A opção de ficar sem camisa condiz com o país tropical.
O vizinho não olhou mais minhas coxas.
Diário da vizinhança.
O “ainda” e o “não mais” são atemporais nesse caso,
assim como meu sono.
Isso seria um caso?
Um caso de solidão aguda e de transferência para personagens de janelas?
Psicanálise de drops de laranja.
E se eu voltasse a tocar flauta?
Acho que perturbaria os vizinhos.
Firulifirulá.
Quando eu voltar à adolescência usarei meus antigos sapatos laranja do Pateta.
Os vizinhos acharão improvável –
os improváveis acontecimentos da vizinhança.
Posso criar um jornal de parede e contar as fofocas do centro,
sem nenhum interesse em seduzir.
O abrir e fechar de portas do vizinho,
sem nenhum interesse em seduzir?
Será que ele já bateu punheta olhando para minha janela?
Questão a ser feita na seção de variedades do jornal de parede.

5 comentários:

  1. i@gmail.comfiquei inspirado por causa daquela
    comunidade que vc falou do orkut,no meu novo texto eunuco/cristão,
    no meu blog
    bjs
    :D

    ResponderExcluir
  2. imaginei que isso iria rolar um dia !
    heeheh

    ResponderExcluir
  3. gostei da idéia de fazer um jornal mural!
    bjão,
    vovô

    ResponderExcluir
  4. Saudade moça, estive em sua casa esse domingo...


    beijos!

    ResponderExcluir